minifuzz do bertola

bom, aqui vai uma explicação sucinta da construção do minifuzz do bertola.
como sou muito ruim nessa area eletronica, nao tomem meu exemplo como tutorial.
pra isso recomendo voces olharem no handmades e no tonepad, entre muitos outros
sites bons que tem por ai.

fuzz é um tipo de distorçao usado em guitarras. foi o primeiro tipo inventado, muito usado na
decada de 70, imortalizado pelo jimmy hendrix.

bertola é o nome do luthier que, atraves de muito estudo e pesquisa, desenvolveu este projeto
extremamente simples de minifuzz, permitindo qualquer zé mane como eu construir um. e o cara
ainda disponibilizou o projeto de graça, com a condição de ser usado sempre para fins não
lucrativos, apenas uso proprio e/ou didatico.

aqui vai passo a passo:

o primeiro passo é confeccionar a placa de ci (circuito impresso).

comprei uma uma plaquinha, cortei no tamanho desejado, de acordo com o desenho do circuito.

colei a imagem do circuito por cima (invertido, pois geralmente se faz este processo decalcando com ferro de passar).

como esse circuito é simples, da pra fazer à mao.

furei todos os pontos de conexao com uma dremel, usando broca de 1mm.

epois eu comprei um furador, que parece um grampeador. bem mais simples, nao precisa de tomada.

a partir dos furos eu desenhei à mao as trilhas.

primeiro marquei so com caneta fina, depois passo caneta grossa.

usa-se caneta de retroprojetor (de escrever em cd) pra realizar a corrosao da placa (veremos adiante).

antes de desenhar é com passar um bombril no cobre, pra deixar ele bem brilhante.

tai o desenho pronto. uma bolinha em cada ilha (ponto de solda).

tambem é permitido escrever e desenhar à vontade, desde que nao provoque um curto.

atras eu deixei desenhado os componentes, pra facilitar a montagem depois.

o equipamento pra corrosao da placa:

> um recipiente plastico (no caso um copo de cafe), com agua pra submergir a placa.

> talher plastico, pra mexer a plaquinha. outra tecnica é amarrar uma linha na placa pra puxar ela.

> e o percloreto de ferro, aqui em pó, pra misturar na água.

o percloreto corroi o cobre da placa, menos onde a gente cobriu com a caneta. por isso é importante pintar bem escuro as trilhas e deixar secar a tinta da caneta.

fica ai mais de meia hora. depende da temperatura da agua e da concentraçao do percloreto.

a plaquinha corroida. ta meio tosca que foi minha primeira vez, mas funcionou.

depois de corroido, a gente lava a plaquinha, e passa um bombril pra tirar a tinta da caneta.

soldando os componentes.

pra isso é preciso no minimo um ferro de solda e estanho.

pra coisas mais complexas, recomenda-se uma serie de acessorios que ajudam num bom serviço.

os componentes soldados na placa:

> um transistor (preto)

> resistores (amarelos com listra)

> capacitores (bolinhas amarelas)

> diodo (vermelhinho)

onde ta escrito pot vai um potenciometro.

o lado do circuito. as soldas tão meio embolotadas, que eu sou ruim nisso.

depois com todos os fios.

no meio, o bloquinho preto, é a chave dpdt, que aciona o pedal.

em baixo o potenciometro, que é o botao de girar.

em cima tem os conectores do cabo (jack) e os conectores de bateria e fonte.

mais detalhes no tutorial do handmades, que é bem completo.

o minifuzz pronto:

botei ele dentro de uma caixinha de cartucho de nintendinho. não é o ideal (melhor caixa metalica),
mas ficou bem simpatico. o botao prateado (knob) é sobra do kit da telekiki.

alias, quem quiser ouvir o som, basta ir na pagina da telekiki, na seção "pronto".

acho legal tambem registrar aqui que como é simples este projeto. desde que foi concebido, tem sido
porta de entrada para varios interessados na area, como é o meu caso. e é extremamente simples de
fazer e barato.

não lembro o valor exato, mas me custou algo em torno de 15 reais. e fiz todo ele em um dia.
sai de casa as 14h para comprar os componentes, e as 19h ele estava pronto. claro que, antes disso,
passei um bom tempo lendo os tutoriais do handmades, e pesquisando as lojas onde comprar, pois
nem todos os componentes sao tao faceis de encontrar (deste projeto o pior é a chave dpdt, o resto
é bastante simples).

fica aqui registrado a gratidão ao mestre bertola, pelo trabalho que vem desenvolvendo! salve!

 

volta